Conheça o nosso catálogo de produtos

AS RAÍZES MEDIEVAIS DO PENSAMENTO MODERNO

Dê Sua Opinião Sobre o Produto

Disponível: COMPRAR

R$29,00

Resumo

Livro em falta no estoque, nos envie um email para lojaweb@ramonllull.net


A fluência de estilo e a facilidade de compreensão acompanham a profundidade de análise do autor que, assim, oferece ao público uma obra de leitura agradável.


AS RAÍZES MEDIEVAIS DO PENSAMENTO MODERNO

Detalhes

principalmente, por sua obra Guilherme de Ockham, publicada pela EDIPUCRS há algum tempo. Surge agora a segunda edição do livro de sua autoria: As raízes medievais do pensamento moderno. O volume reproduz um curso ministrado em São Paulo, no Centro de Extensão Universitária. Nele a unidade temática gira em torno da superação do sistema aristotélico pelos pensadores do final da Idade Média. Aristóteles foi o filósofo que possibilitou a elaboração teórica de um novo modelo de pensamento junto aos árabes, aos judeus e aos cristãos e, por isso mesmo, foi o autor mais citado naquele período. Contudo, no decorrer dos anos, foram crescendo os pontos de discordância, as ressalvas, os acréscimos. Não houve grande alarde enquanto isto acontecia: por vezes tentava-se mesmo uma leitura benévola do Estagirita. Aos poucos, porém, e de forma constante, foram-se destruindo partes do sistema e, um belo dia, as portas da Filosofia abriram-se para a modernidade. Ghisalberti aponta alguns casos paradigmáticos. Em Duns Scotus, dois temas são escolhidos: a inteligência e a vontade, que conferem à divindade o conhecimento e o querer de si mesmo e de todo o existente; e a contingência do mundo, a contrariar o necessitarismo grego. Do amplo leque das inovações ockhamianas toma alguns problemas lógicos gnosiológicos, como a questão singular-universal e indivíduo natureza; além disso, analisa-lhe o pensamento ético e o que se segue a Ockham na história da Filosofia: a oposição entre a via antiqua e a via moderna. A renovação da Física é o assunto tratado em Buridano. A conseqüência das inovações é resumida a seguir, ao século XV. Por fim, um problema, que desde Platão e Aristóteles, passando por Agostinho, Boécio, fazia-se presente no debate filosófico: que significava para os medievais e os renascentistas, a pergunta sobre a felicidade e sobre o fim último do agir humano. A fluência de estilo e a facilidade de compreensão acompanham a profundidade de análise do autor que, assim, oferece ao público uma obra de leitura agradável. Urbano Zilles

Informação Adicional

Título AS RAÍZES MEDIEVAIS DO PENSAMENTO MODERNO
Subtítulo Não
Autores Alessandro Ghisalberti
Sinopse principalmente, por sua obra Guilherme de Ockham, publicada pela EDIPUCRS há algum tempo. Surge agora a segunda edição do livro de sua autoria: As raízes medievais do pensamento moderno. O volume reproduz um curso ministrado em São Paulo, no Centro de Extensão Universitária. Nele a unidade temática gira em torno da superação do sistema aristotélico pelos pensadores do final da Idade Média. Aristóteles foi o filósofo que possibilitou a elaboração teórica de um novo modelo de pensamento junto aos árabes, aos judeus e aos cristãos e, por isso mesmo, foi o autor mais citado naquele período. Contudo, no decorrer dos anos, foram crescendo os pontos de discordância, as ressalvas, os acréscimos. Não houve grande alarde enquanto isto acontecia: por vezes tentava-se mesmo uma leitura benévola do Estagirita. Aos poucos, porém, e de forma constante, foram-se destruindo partes do sistema e, um belo dia, as portas da Filosofia abriram-se para a modernidade. Ghisalberti aponta alguns casos paradigmáticos. Em Duns Scotus, dois temas são escolhidos: a inteligência e a vontade, que conferem à divindade o conhecimento e o querer de si mesmo e de todo o existente; e a contingência do mundo, a contrariar o necessitarismo grego. Do amplo leque das inovações ockhamianas toma alguns problemas lógicos gnosiológicos, como a questão singular-universal e indivíduo natureza; além disso, analisa-lhe o pensamento ético e o que se segue a Ockham na história da Filosofia: a oposição entre a via antiqua e a via moderna. A renovação da Física é o assunto tratado em Buridano. A conseqüência das inovações é resumida a seguir, ao século XV. Por fim, um problema, que desde Platão e Aristóteles, passando por Agostinho, Boécio, fazia-se presente no debate filosófico: que significava para os medievais e os renascentistas, a pergunta sobre a felicidade e sobre o fim último do agir humano. A fluência de estilo e a facilidade de compreensão acompanham a profundidade de análise do autor que, assim, oferece ao público uma obra de leitura agradável. Urbano Zilles

Nome da Coleção Filosofia
Editora instituto Brasileiro de Ffilosofia e Ciência Raimundo Lúlio "Ramon Llull"
Número de páginas 110
ISBN do Livro 8589294218
Encadernação Brochura
Peso 0.2000
Dimensões do Produto 14x21
Ano da Edição 2011
Idioma Portugues

Tags do Produto

Use espaços para separar as Tags. E aspas simples (') para frases.