Conheça o nosso catálogo de produtos

TIRANT LO BLANC

Dê Sua Opinião Sobre o Produto

Disponível: Em estoque

R$95,00

Resumo

Muitos anos depois de Cervantes, autores importantes continuam gostando de Tirant lo Blanc. O peruano Mario Vargas Llosa, por exemplo, que assina o prólogo da edição brasileira. "Esse texto", diz ele, "foi uma das melhores coisas que me aconteceram como leitor e escritor."Um livro que merece figurar em qualquer estante de clàssicos.


Edição Especial em capa dura com 850 páginas.


O melhor livro do mundo segundo Miguel de Cervantes!!!


 

TIRANT LO BLANC

Mais Imagens

Detalhes

A fio de espada quando completou Dom Quixote, em 1615, o espanhol Miguel de Cervantes não achou que havia criado o romance moderno. Pensou, isso sim, ter dado cabo dos romances de cavalaria, que demoliu pela sátira. Numa cena famosa, por exemplo, ele faz os amigos de Dom Quixote queimarem sua biblioteca ao notar que os livros de cavalaria o haviam deixado maluco. Cervantes só salvou quatro obras. Uma delas foi Tirant lo Blanc, de Joanot Martorell. E, de fato, o livro sobreviveu. Acaba de receber sua primeira edição brasileira, com tradução direta do catalão.Publicado em 1490, Tirant lo Blanc tem todas as peripécias da tradição cavaleiresca, e um extra: verdade humana. Foi isso que cativou Cervantes. Ali estava, finalmente, um livro em que "os cavaleiros comem, e dormem, e morrem em suas camas", segundo ele escreveu em Dom Quixote. Muitos anos depois de Cervantes, autores importantes continuam gostando de Tirant lo Blanc. O peruano Mario Vargas Llosa, por exemplo, que assina o prólogo da edição brasileira. "Esse texto", diz ele, "foi uma das melhores coisas que me aconteceram como leitor e escritor."Um livro que merece figurar em qualquer estante de clàssicos. Carlos Graieb

Informação Adicional

Título TIRANT LO BLANC
Subtítulo Não
Autores Joanot Martorell
Sinopse

A fio de espada quando completou Dom Quixote, em 1615, o espanhol Miguel de Cervantes não achou que havia criado o romance moderno. Pensou, isso sim, ter dado cabo dos romances de cavalaria, que demoliu pela sátira. Numa cena famosa, por exemplo, ele faz os amigos de Dom Quixote queimarem sua biblioteca ao notar que os livros de cavalaria o haviam deixado maluco. Cervantes só salvou quatro obras. Uma delas foi Tirant lo Blanc, de Joanot Martorell. E, de fato, o livro sobreviveu. Acaba de receber sua primeira edição brasileira, com tradução direta do catalão.Publicado em 1490, Tirant lo Blanc tem todas as peripécias da tradição cavaleiresca, e um extra: verdade humana. Foi isso que cativou Cervantes. Ali estava, finalmente, um livro em que "os cavaleiros comem, e dormem, e morrem em suas camas", segundo ele escreveu em Dom Quixote. Muitos anos depois de Cervantes, autores importantes continuam gostando de Tirant lo Blanc. O peruano Mario Vargas Llosa, por exemplo, que assina o prólogo da edição brasileira. "Esse texto", diz ele, "foi uma das melhores coisas que me aconteceram como leitor e escritor."Um livro que merece figurar em qualquer estante de clàssicos. Carlos Graieb

Nome da Coleção Catalunha
Editora Atelie Editorial
Número de páginas 850
ISBN do Livro 8574802441
Encadernação Capa Dura
Peso 1.3500
Dimensões do Produto 16x24
Ano da Edição 2004
Idioma Português

Tags do Produto

Use espaços para separar as Tags. E aspas simples (') para frases.